quinta-feira, maio 17, 2007

"Futilidade vivida"



Quem seremos nós
senão deuses de vidas passadas
Que seremos nós
senão deuses de vidas apagadas

Perdidos no mundo escuro
No meio de sombras garridas
Navegando no mar de negrume
Perdidos nas sombras esquecidas

Olhando para um ceu desconhecido
Sonhando com algo que não pertence
Sonhando com a vida amparada
Sonhando com aquilo que se sente

Largados em terras longinquas
Abandonados em locais encerrados
Percorrendo o fundo na nossa alma
Procurando pelo fim dos pecados

Terminando uma existencia de perda
Completando uma vida inutil
Aquilo que pensamos no fim
É simplesmente o quão a vida é futil

10 comentários:

Os documentários das minhas caçadas disse...

humm, levas tempo a postar...mas quando postas... sai de baixo, esta lindo fofo. beijos adoro.te

raquel disse...

ohhh k romantico q andas
e ja q nao posso protestar porque está escrito em português e como sou horrivel a comentar digo te apenas q tens de me ensinar a ser assim um dia pk eu nao csg fazer um poema assim do nada como tu... bem e vim ca tambem so para te deixar os meus beijos e dizer para continuares assim q vais longe

Joana Blue disse...

Lindo.. como tudo o k escreves..
Decerto k este poema transcreve uma realidade que tu sentes, que pode ser diferente da k eu interpreto, mas mesmo assim, à minha maneira, concordo com todas as palavras.. Vivemos preocupados com a nossa vidinha, com os nossos pequenos problemas (que para nós parecem enormes), quando na realidade somos apenas mais um grão de areia no universo, e há muitos outros que apenas ambicionam um pouco do nosso "mal".. a isso chamamos futilidade, e por muito k tentemos inverter a realidade, somos e sê-lo-emos...
Beijinhos.. e continua a escrever :) gostei!

Sonhos diarios disse...

Olá menino. Nem mais, nós todos somos a representação futura de todos os passados. Somos tambem o passado do nosso futuro, somos o presente do incerto, o futuro da incerteza. Somos o que somos sem sabermos quem somos. Estando na mesma barca da vida, somos iguais mas a nivel genetico somos diferentes. Mas isso não será estarmos a falar de futilidade? Se antigamente só Reis e Rainhas e Corte em geral eram pessoas importantes sendo o resto futil, hoje a futilidade está lá a mesma sempre estará. Portanto como tu proprio dizes "Quem seremos nós|
senão deuses de vidas passadas (...)" pois somos o que fomos, seremos o que somos, seremos passado. *

Anónimo disse...

Lindo a vida não é futíl....é aquilo que fazemos dela!! Só temos esta, há que vivê-la :), agora a maneira como o fazemos depende de cada um. Aproveita a tua ao máximo.... mais uma coisa, são as pequenas alegrias que acumulamos ao longo da vida que a tornam "worth while" .
Beijinhos Maria
PS: Gostei muito do Blog

fatima mendes disse...

ola , eu nao concordo com aquilo k esta escrito mas cada um sabe de si ,a nossa vida semos nós a faze-lha e a felicidade tb , um beijo

sahh disse...

oi
eu adorei o poema..e concordo com ele
ele esta mesmo d+
"Perdidos no mundo escuro
No meio de sombras garridas
Navegando no mar de negrume
Perdidos nas sombras esquecidas"
lindo

drt, bjos ^^
*************

Rei disse...

eu sempre disse que nos ek somos os nossos proprios deuses 8D

bom eh futil, mas... nos adoramo la :3 e eh espectacular as vezes :3

luv yah x3******************

Arcangel disse...

Ora, eu não comentei logo quando me deste o link para o teu blog (btw...é um belo espaço ^^) porque acho que a poesia tem que ser lida com calma...
Ora, em primeiro lugar, sim a vida é fútil, e é só agora que começamos a ver isso (quando digo agora, digo nesta idade...e não vale dizer que sou novinha :x lol), começa-se a ver que temos que tratar de demasiadas coisas, não aproveitamos os momentos porque estamos constantemente a pensar no que temos que fazer ou não podemos fazer.
Desejava mesmo à pouco tempo ter aproveitado um pouco mais a minha adolescência e talvez não o tenha feito porque estive sempre a pensar que se calhar era uma "futilidade"... E digo-te em primeira mão que essas futilidades também são necessárias para registo da nossa vivência.
Em segundo lugar, não percas muito em introspecções, faz apenas quando achares necessário sem entrar em exagero, ok?
E como acabo sempre os meus coments, digo-te apenas: aproveita o que tens e dá-lhe valor, olha para o céu azul (ou cinzento, conforme o boletim meteorológico), fecha os olhos, abre os braços (sim, eu sei que parece uma maluquice), respira fundo e diz para ti próprio: obrigada pelas oportunidades que tive na minha vida mas contudo desejo mais e vou lutar por elas!


:)



Muitos beijinhos***

Anónimo disse...

Por que nao:)