terça-feira, janeiro 27, 2015

As sandes de presunto que nunca chegaram!!!

Para aqueles que me têm adicionado no Facebook, já sabem a história, mas aqueles que não sabem, o tio conta!

Ora, ontem eu fui ao Hospital, acompanhar a minha menina que arranjou, sei lá como ou porquê, uma infeção urinária. Já não bastava ela andar sempre adoentada (meia gripada, meia atacada da sinusite), tinha ela agora de andar a arranjar infeções da treta. No entanto, não querendo deixar isto tornar-se pior, fomos para o dito Hospital mai novo de Braga (não sei onde fica o mai velho).

Como eu já ando queimado de hospitais, não por passar muito tempo neles, mas porque saio sempre pior que o que entrei, sei mais ou menos o tempo de espera. Comprei uns suminhos, 4 pães e uma tarte de maçã para a miúda, enfiei o meu Kobo e o 1984 (o livro que ela está a ler) na mala, casaco mais cachecol caso fosse preciso, e lá fui eu ao seu encontro para apanhar o autocarro para o dito cujo.

Imagem que não é das urgências de Braga e que não mostra
nem um terço do pessoal que lá estava.
Primeira parte correu bem. Primeira parte incluiu a viagem para lá, registo nas urgências e chamada para a triagem. Não demorou nada e em 5 minutos depois de termos chegado, já estávamos lá dentro... à espera. Como disse, fomos preparados. Como ainda não havia fome, sacámos dos livros, os quais provocaram um bocado de atenção das imensas pessoas que lá estavam (Não se pode ler no hospital sem dar a noção que não estamos realmente doentes.), e lá nos metemos a ler.

As primeiras 3 horas passaram bem... as outras 6 horas, nem por isso. A miúda já desesperava por todos os cantos. Lá consegui deitar-se nos bancos, apoiada em mim, e lá descansou. Comeu alguma coisa e bebeu um sumito entretanto. Descansou, mas não dormiu. Entre reclamar que não a chamavam, e que toda a gente é inútil e que já estava farta de ali estar, lá se passou o tempo. Tenho quase a certeza que a maior parte do tempo estive a ler. Tanto que acabei um livro e comecei outro.

Passado todo esse tempo, foi ela chamada para uma consulta de 10 minutos, a confirmar o que aparentemente toda a gente sabia mas que tinha de ser confirmado para poder ser receitado alguma coisa. Saímos de lá às 5 menos 10 da manhã, apanhamos um táxi e às 5 estávamos em casa.


Mas agora perguntam-se vocês o que tem o título a ver com o resto do post. Tem a ver pois eu vim especialmente ao Facebook PEDIR UMAS SANDES DE PRESUNTO E UMA COCA-COLA e ninguém se deu ao trabalho de lá me ir levar nada. Diga-se de passagem, uma visita vossa acompanhada das sandes era bem vinda na espera interminável que foi. I kid.  

Mas pronto, 9 horas de espera ainda não é o meu recorde (que está em ter acompanhado a minha mãe desde as 10 da manhã até às 8 da manhã do dia seguinte), mas para a próxima, vou levar jogos de tabuleiro comigo... afinal não falta lá parceiros de jogo.

Aqui podem ver o post dela sobre a mesma situação, se bem que dito com mais ênfase: 2015: Odisseia nas urgências de um hospital do SNS.

2 comentários:

JS disse...

Por aqui se vê a utilidade dos amigos do facebook e a inutilidade do SNS que, dizem alguns, são dos melhores da Europa. "Alguns" que, de certeza, do SNS só conhecem o nome.
O meu recorde de espera na urgência, foi como acompanhante da minha "moça" (lol). Um dia foram 16 horas e dois dias depois, foram mais 11. Tudo para confirmar que, afinal, eram só gases. eheheh
Saímos dali e fomos fazer um seguro de saúde. O mesmo que desta vez lhe permitiu ser operada em 11 dias, após ter sido diagnosticado um tumor nos ovários.
Eu vou-me safando, com a ADSE... é o que me tem valido nos últimos 10 anos. :)

Ah, as infeções urinárias não são infeções da treta. Eu já tive uma e foi das coisas mais dolorosas que já me atingiu e se eu já fui atingido por coisas dolorosa... :/

*Nightwish* disse...

Ainda me doem as costas das posições estúpidas em que tentei dormir naqueles bancos do hospital. Ainda devo ter alguma marca!!
****